segunda-feira, 4 de junho de 2012

Ah, grande Romano



A Igreja não se identifica com uma parte concreta da sua hierarquia, com uma escola teológica ou com uma práxis tradicional. A Igreja é muito mais que tudo isto, e em qualquer  momento cabe o recurso à sua totalidade e essência. Sei que tudo isto deve ser dito e feito com cautela, pois a autoridade torna-se atual no concreto e a obediência deve também ser exercitada concretamente. Apesar disso, existe igualmente uma relação imediata com a Igreja na plenitude da sua essência, a partir da qual é possível agir "sem temor", como diz S. Paulo, quando a inteligência e a voz da consciência assim o exigem. Posso dizer que sempre me senti Igreja, até quando, para servi-la, tive de caminhar sozinho.


Romano Guardini na sua "Autobiografia"

Sem comentários:

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...