segunda-feira, 28 de maio de 2012

E a seguir, Vaticano?

No JN de ontem. Entretanto, sobre as recentes fugas de informação, as notícias já falam de "um cardeal" envolvido (no DN, aqui; no "Público", aqui). Que mais acontecerá ao Vaticano? O pedido de implosão? Que o Papa se mude para um modesto bairro suburbano de Roma, como sugeriu o insuspeito Hans Urs von Balthasar?

5 comentários:

Anónimo disse...

Três impressões apenas: 1) nada disto terá envolvido, pelos vistos, sacerdotes ou religiosos, mas "apenas" pessoas que trabalhavam no Vaticano; 2) o p. Gabriele Amorth é, quanto mais não seja por sofrer de Alzheimer há pelo menos 5 anos, tudo menos credível (é o que dá andar metido com diabos); 3) mas terá havido encobrimento do Vaticano? Cada vez me convenço mais e mais que a beatificação de João Paulo II (que encobriu o que sabia do p. Maciel) foi um erro.

Fenando d'Costa

Jorge Pires Ferreira disse...

Concordo com as suas impressões, Fernando.

Não sabia que o P.e Amorth sofre de Alzheimer. Como ele vê o diabo em tudo, sempre o considerei uma falácia, pois a crer no que ele diz, Deus torna-se evidente pelo trabalho do diabo.

Quanto a João Paulo II, também me parece ter havido pressa na beatificação. Mas é mesmo certo que encobriu ou não soube do que se passava? De qualquer forma, mal ele morreu tornou-se público o caso dos Legionários.

Ainda em relação a João Paulo II, parece-me que a administração dos dinheiros não foi a mais transparente. Está escrito que circulavam sacos de dinheiro pelos aposentos de João Paulo II...

http://tribodejacob.blogspot.pt/2010/07/quando-o-papa-dava-sacos-de-dinheiro.html

Dirão sempre que se beatifica o Papa, não o pontificado, mas uma coisa não existe sem a outra.

Anónimo disse...

Cada vez gosto mais destas notícias. Afinal parece que o Vaticano é um gigante com pés de barro. Um verdadeiro covil!

Anónimo disse...

Jorge, o mestre da má lingua e da difamação

Jorge Pires Ferreira disse...

Anónimo das 3h13 (ia a dizer "amigo", mas sei lá eu quem é você), não chame a ninguém "mestre". Conhece a passagem ou quer que a cite em concreto? De qualquer forma, o sr. está a fazer-me a mim precisamente o que diz que eu faço (mas não faço). Não levo a mal. Quem comunica sujeita-se. E isso, sim, é o meu caso.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...