quarta-feira, 2 de maio de 2012

"«Derechona» eclesiástica es sumamente dañina”

José Manuel Vidal

“La homofobia ideológica de la «derechona» eclesiástica es sumamente dañina”, escreve o jornalista espanhol José Manuel Vidal, a propósito de declarações contra os homossexuais e a homossexualidade de alguns membros do clero espanhol (e chileno, reportando-se a D. Jorge Medina).
(…) Quando escuchan a obispos y cardenales como Reig y como Medina, se les parte el alma y se alejan de la Iglesia para siempre. Porque ya no es su casa. Porque en ella ya no se les quiere. Porque se les manda al infierno o a las clínicas. Por mucho que, después, para reparar el escándalo, vengan otros voceros oficiales diciendo que se les respeta. 
¡Cuánto dolor sembrado! ¡Y cuánta hipocresía! Porque, el clero católico está lleno de gays. Es algo que todo el mundo sabe y que todo el mundo puede comprobar. Porque la homosexualidad es algo tan constitutivo de la persona que, a duras penas, se puede ocultar. 
Y porque, durante siglos, la Iglesia se convirtió (y sigue siendo) una institución refugio de gays. Cumpliendo, en ese sentido, una cierta misión liberadora. Les proporciona uan salida, aunque el precio que tengan que pagar sea el silencio total o la expulsión. Ahora, hasta quieren prohibirles el acceso al sacerdocio. Simplemente por ser gays. Aunque, como los heterosexuales, acepten el celibato y prometan castidad. Dos varas de medir. Una discriminación más. 
Si no tienen entrañas de misericordia, al menos que se callen estos jerarcas talibanes, que van sembrando dolor e indignación. Y falta de caridad.
Ler tudo aqui. Sobre a polémica, fiz aqui um apanhado.


Por outro lado, João César das Neves tenta pôr água na fervura.
Aqui surge uma segunda confusão entre discriminação e opinião. Existe realmente o crime grave de homofobia, que consiste no tratamento injusto, ou pior a agressão, a alguém por opção sexual. Isso é muito diferente da opinião que cada um possa ter sobre essa actividade. Chamando "homófobo" a quem quer que, sem prejudicar ninguém, considere a prática uma perversão, confundem-se as coisas e comete-se uma outra discriminação, aqui por delito de opinião. Também existem no mundo graves perseguições contra católicos, que não podem ser confundidas com o repúdio particular por essa religião, manifestado de forma civilizada. A fúria actual contra qualquer pessoa que não alinhe com a visão dominante da naturalidade e equivalência de todas as opções sexuais é, ela sim, uma forma grave de totalitarismo cultural.
Ler tudo aqui, no DN. 

3 comentários:

Anónimo disse...

Se o "alto clero"tivesse decencia estava calado

Anónimo disse...

Também me parece.

Anónimo disse...

Se o "alto clero" tivesse decência estava calado. Concordo plenamente.
Acontece, caro anónimo, que João César das Neves não é "alto" mas "baixo clero"... Com certeza que entende o que digo.

P.S. : Não li a homilia completa de
JCdasNeves, mas parece-me que há uma inflexão no tom... Talvez tenha aprendido qualquer coisa nas salas dos tribunais a que tem sido conduzido pelas barbaridades que até aqui dizia com vaidade e impunidade.

Semana dos Seminários

Parece que se dizem agnósticos (ou o mais conhecido deles). Mas a simbologia católica (sim, mais católica do que simplesmente protestante ou...