sábado, 5 de maio de 2012

Comunhão e Libertação - vários escândalos de corrupção e um "mea culpa"

Roberto Formigoni


Em Itália, diversas notícias têm falado de corrupção entre políticos ligados ao movimento Comunhão e Libertação. Mas não se trata só de notícias.  John L. Allen Jr faz um ponto da situação:
Roberto Formigoni, o aderente de mais alto perfil do Comunhão e Libertação na política italiana, encontra-se agora envolvido em um grande escândalo de corrupção. O antigo governador da região da Lombardia está no centro de uma investigação judicial de suborno na concessão de contratos públicos de saúde. Ele também enfrenta acusações de ligações suspeitas com um empresário obscuro que está agora na cadeia por acusações de corrupção e de uso de fundos públicos para pagar férias privadas. 
Formigoni é membro do Memores Domini, um órgão de leigos consagrados comprometidos com o celibato vitalício, que faz parte do movimento Comunhão e Libertação. Quatro membros mulheres do Memores Domini compõem a equipe que cuida da casa papal de Bento XVI. 
Outro membro veterano do Comunhão e Libertação, Antonio Simone, já foi preso e acusado de fazer parte de um esquema para fraudar nada menos do que 74 milhões dólares de um instituto de saúde italiano muito conhecido. Segundo a imprensa, a piedade católica pessoal de Simone beira a lenda: aparentemente, durante a década de 1990, quando ele ocupou um cargo público como assessor na Lombardia, ele convocava a sua equipe para uma oração matinal antes de começar o dia de trabalho.
Estes e outros casos fizeram com que o padre Julian Carrón, presidente da Fraternidade de Comunhão e Libertação, escrevesse no jornal La Repubblica:
Caro Diretor, lendo os jornais nestes dias, fui invadido por uma dor indizível ao ver o que fizemos com a graça que recebemos. Se o movimento de Comunhão e Libertação é continuamente identificado com a atração pelo poder, pelo dinheiro, por estilos de vida que nada têm a ver com o que encontramos, algum pretexto devemos ter dado. E isso apesar de o Comunhão e Libertação ser alheio a qualquer malversação e jamais ter dado origem a um "sistema" de poder.
As coisas estão, pelo menos, feias para o CL, ainda que por umas maçãs podres mão se possa julgar o pomar. Mas até o cardeal Angelo Scola está distanciar-se do movimento.
O cardeal Angelo Scola, de Milão, amplamente visto como o principal candidato para ser o próximo papa e alguém que possui um histórico de relação com o Comunhão e Libertação, obviamente se sente compelido agora a se distanciar. Scola disse a um grupo de jornalistas no dia 26 de abril: "O que eu sei sobre o Comunhão e Libertação? Eu lido com a Igreja de Deus. Se você quiser saber algo sobre o Comunhão e Libertação, vá perguntar a eles".
Quanto a ecos disto em Portugal, que sendo um escândalo entre cristãos deve dar-nos humildade, dei uma vista de olhos por dois ou três blogues e sítios conotados com o CL e… nada.

Artigo de John L. Allen Jr. aqui.
Carta do P.e Julian Carrón aqui.
Análise do jornalista e político Franco Monaco aqui.

8 comentários:

Anónimo disse...

John L. Allen Jr. é doa mais prolixos e profundos analistas da vida da Igreja a partir de Roma. Os seus textos são rigorosos; apontam aspectos raramente conhecidos; tem conhecimento sólidos dos mais distintos enquadramentos eclesiais. O tratamento por ele dado ao documento da Congregação para a Doutrina da Fé acerca das "religiosas" liberais dos USA (essas que declararam não aceitar estar em missas presididas por varões e que era necessário "superar a Igreja e a Cristo") foi notável. Numa palavra: brilhante.

Fernando d'Costa

HD disse...

É o “sindroma comunista”, de que perante problemas internos graves, omite-se a realidade , na convicção de que nada perdure na história.

Alguém se lembra se a Opus Dei em Portugal, renegou publicamente as atitudes pouco éticas de algumas figuras gradas da Obra, nas guerras “sujas”pelo domínio do BCP?

Neste caso seria de admirar, é que a CL comentasse alguma coisa…o P. Seabra até nem se dá por ele nos media…

HDias

Francisco Ferreira disse...

É uma coisa gravíssima. Não acho, contudo, razoável que se tome a parte pelo todo, como a imprensa italiana tem vindo a fazer.
A carta do Pe. Julian Carron está muito boa. Ainda não a tinha visto.
Relativamente ao comentário de HDias, queria dizer que padece de graves erros: 1º) a resposta do responsável internacional do CL está citada no post (portanto, sim, houve resposta e não, ninguém está a tentar branquear a história); 2º) se há resposta oficial do CL, não percebo porque é que o responsável do CL em Portugal (que não é o Padre Seabra) devia pôr-se a dar opiniões.

HD disse...

Ao Francisco Ferreira
Sobre os meus “graves erros”:

- Acrescento o detalhe e reforço o que já tinha sido dito no post, pois de facto nada encontrei sobre o eventual repudio publico em Portugal de tais acontecimentos, envolvendo leigos comprometidos com o CL. “Quanto a ecos disto em Portugal, que sendo um escândalo entre cristãos deve dar-nos humildade, dei uma vista de olhos por dois ou três blogues e sítios conotados com o CL e… nada.”

- É irrelevante o cargo actual do P. Seabra no CL, mas é inegável que foi seu mentor em Portugal.De comentador assíduo em inúmeros eventos mediáticos, tão afoito e por vezes cáustico a pronunciar-se publicamente sobre tantos aspetos da vida, mas sobre este problema que afecta no mínimo a honra de inúmeros leigos comprometidos no CL, nada se vislumbrou de comentário recente.

O silêncio e as diligentes defensivas cirúrgicas, só confirmam o referido “síndroma” de omissão.

São estratégias de comunicação, que nunca deram bons frutos. O tempo o demonstrará.
HDias

João Silveira disse...

HD, a prova de que quem diz que não se deve julgar é o primeiro a fazê-lo.

Faz o que eu digo, não faças o que eu faço...

Anónimo disse...

Participei muitos anos desse movimento e foi a infelicidade da minha vida. São eles extremamente amantes do poder, autoritários, arrogantes e se disfarçam com esse tom de "somos frágeis criaturas e pecadores", mas sabem muito bem pisar e destruir os outros. E como sempre têm palavras para se defenderem de tudo e de todos. Facistas!

Anónimo disse...

Esse discurso do comunhão e libertação não me comove nem um pouco. Os seus líderes, com raras exceções, amam o poder. Principalmente os italianos!
Diversos dos seus membros são amantes das primeiras fileiras, exatamente como os fariseus.
Conheci diversos padres desse movimento que têm uma preferência enorme por políticos, intelectuais desde o mundo acadêmico até pessoas de notória fama na sociedade, sem contar com os abastados do mundo privado.

Francisco Ferreira disse...

Caro HDias,
1º)Claramente tem problemas ao nível cognitivo: você disse que ninguém do CL em Portugal comentou, eu respondi que não comentaram apenas porque não lhes cabia comentar, você torna a dizer que não viu nada em lado nenhum como se eu tivesse dito que tinha havido reacção (que não houve em Portugal, por ter havido da parte do responsável internacional do CL). Enfim...
2º)Não é irrelevante, porque foi o HDias que falou em Pe. João Seabra,dizendo que anda a esconder-se dos media, como se ele tivesse a obrigação de dizer o que quer que seja, em nome de um cargo que não ocupa.
Por isso, não desvie a conversa para autenticas manipulações do que os outros dizem!

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...