quinta-feira, 10 de maio de 2012

Budistas anónimos

Rahner (esq.) e Kung. E quem é o do meio?

É um lugar-comum teológico a expressão “cristãos anónimos”. Foi cunhada por Karl Rahner para abrir a salvação a todos os que não conhecem Jesus Cristo, já que na teologia tradicional afirmava-se que “fora da Igreja não há salvação” (ler aqui umas notas sobre o assunto).

Hoje muito me ri com isto:

“Hans Kung disse um dia a Karl Rahner, meio a sério, meio de brincadeira, que os budistas ortodoxos tinham afirmado que também Karl Rahner podia «salvar-se», porque era, sem ele sabê-lo, mas de boa fé, um «budista anónimo»”.

Contado por Carlos González Vallés em “Querida Igreja”, ed. Paulus (Brasil), 1990, p. 26

4 comentários:

Anónimo disse...

Deram-me a conhecer, hoje mesmo, este blog de um grupo de teólogos portugueses. É simples, discreto, despretensioso.E novo! A seguir atentamente, mesmo que, a ver pelo que está publicado, não realize tudo o que o seu nome parece prometer.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

O do meio? Talvez aquele que emprestou a Küng o Ferrari descapotável vermelho. Não?

Jorge Pires Ferreira disse...

Tem a certeza de que era Ferrari? Não seria antes Alfa Romeo?

Jorge Pires Ferreira disse...

Na realidade, o Mercedes de Kung (nem Ferrari, nem Alfa Romeo, um suíço de língua alemã prefere a robustez alemã) poderá até nem ter passado de um carro normal. Eu sei lá qual o poder de compra da classe média dos países europeus mais ricos.

Mas desde que Weigel (o biógrafo de João Paulo II) o disse numa carta aberta, a coisa propagou-se como uma vírus. E já vai em Ferrari. E eu que até gostava de algumas coisas de G. Weigel. Ficou-lhe mal. A Weigel.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...