domingo, 8 de abril de 2012

Páscoa, moral de ultrapassagem

E quando Jesus nos convida a segui-lo no caminho da Páscoa, a «levar a nossa cruz», não é para fazer do cristianismo uma moral dolorista, mas uma moral de ultrapassagem. Sair de si, do nosso eu egoísta, todas as manhãs, para amar, é crucificante! É isso levar a nossa cruz. Não há crescimento sem transformação. Não há transformação sem morte.


Michel Hubaut, "Do corpo mortal ao corpo de luz. Fundamento e e significado da Ressurreição", Gráfica de Coimbra 2, pág. 205.

Sem comentários:

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...