quinta-feira, 26 de abril de 2012

26 de abril de 2009. Nuno Álvares Pereira é canonizado



O santo Condestável também era canonizável. E assim foi, há três anos.


Bento XVI disse então:
Embora fosse um óptimo militar e um grande chefe, nunca deixou os dotes pessoais sobreporem-se à acção suprema que vem de Deus. (...) No ocaso da sua vida, retirou-se para o Convento do Carmo por ele mandado construir. Sinto-me feliz por apontar à Igreja inteira esta figura exemplar nomeadamente pela presença duma vida de fé e oração em contextos aparentemente pouco favoráveis à mesma, sendo a prova de que em qualquer situação, mesmo de carácter militar e bélico, é possível actuar e realizar os valores e princípios da vida cristã, sobretudo se esta é colocada ao serviço do bem comum e da glória de Deus.

14 comentários:

Anónimo disse...

E também ao serviço de MATAR O PRÓXIMO. Oooops! O próximo era infiel, era Espanhol, era Judeu, era...
Vale tudo na "santa" igreja. Já não há paciência!

HD disse...

Como em tudo há santos e santinhos…
S.Nuno enquanto militar, não andou pelos melhores caminhos cristãos. Mas quando abandonou a espada e a riqueza pessoal, pela vida contemplativa, procurou a redenção. Pessoalmente só me interessa esta parte da sua vida.
Os Santos não o são, pela parcela de vida “negativa” que tiveram… e muitos andaram no “dark side”, começando por S. Paulo.
São modelos de vida, porque partiram do lodaçal da vida pessoal, fazendo com ELE uma “ressurreição”profética procurando o Reino de Deus.
Felizmente Cristo não estigmatiza eternamente a pessoa, porque pecou. Ajuda-o a levantar e a procurar a sua redenção, um recomeço …E isso é o mais importante.
HDias

Anjo Caído disse...

É fácil arranjar explicações teológicas à medido do Condestável. Há-as para todos os gostos e opiniões infelizmente.
Tenho para mim, que Deus acolheu com alegria este irmão que abandonou a arte de matar o seu próximo apenas por ser diferente. Mas daí a fazê-lo figura exemplar, não me convenço. Por essa razão, os muçulmanos suicidas também merecem ser apontados como exemplos. Matam pelo entendimento que fazem da vontade do Deus em que acreditam e se à hora da morte se arrependeram nunca o saberemos.

João Silveira disse...

Não deixa de ser notável que os chamados cristãos do reino, que tanto apregoam a tolerância, o amor e o não julgar são os primeiros a não fazer isto nada disto. Ainda por cima fazem isto em profunda ignorância, ou profunda maldade caso não sejam ignorantes.

Meus senhores, percam um bocado de tempo a ler antes de falar, e talvez façam menos figuras tristes. S.Nuno lutou para defender Portugal dos invasores. Se calhar se entrassem em vossa casa para matar as vossas mulheres e filhos vocês diziam: mas com certeza, faça favor de entrar. Felizmente S.Nuno tinha mais coragem do que vocês todos os juntos e ganhou uma guerra justa. E não tinha só coragem, tinha muito mais caridade do que vocês todos juntos, daí que fosse admirado pelos próprios inimigos, que vinham de longe para o poderem conhecer.

S.Nuno não é santo por se ter visto livre de tudo o que tinha, e era muito, e vivido como carmelita. É santo pela forma como lutou no campo de batalha. Comparar a vida de S.Paulo à de S.Nuno é um disparate, S.Nuno foi santo enquanto lutava.

Ainda está para comentar neste blogue alguém com 1% da santidade de S.Nuno. Mas continuem com a má-lingua à vontade, quem está no Céu não pode ser prejudicado por vossas excelências.

Anónimo disse...

Viva o Beato Nuno!

HD disse...

De Cristão?
“ É santo pela forma como lutou no campo de batalha.”
“S.Nuno foi santo enquanto lutava.”
Como as ideias pré concebidas e maniqueístas toldam a visão, invertendo a simples leitura do que outros escrevem!
Cheira-me a Cruzadas no ar…?
Mais do mesmo..
HDias

Anónimo disse...

olha o cromo joão silveira discipulo amado de volta , veio para se santificar dando bicadas noutros blogs que não o seu ?

Anónimo disse...

Sabem porque é que D. Nuno Álvares Pereira virou santo? Não sabem? Erro de palmatória não saber.
R: porque legou todos os seus bens à "santa" igreja católica!
Todos os pecados mortais lhe foram perdoados e o homem, para além de carmelita, virou santo.
A igreja, coitadinha, ficou só um bocadinho mais rica.
Pronto, "tá" explicado!

Anónimo disse...

Para o anónimo das 12:25 AM...

que tristeza a sua vacuidade anti-católica: quantas pessoas fizeram o mesmo e não foram canonizadas? mas nem o senhor está certo: Nuno não deu todos os bens à Igreja! Aprenda um pouco mais antes de criticar os demais.

Um abraço.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

Não é crítica, Fernando d'Costa. É constatação de factos. É verdade, D. Nuno não deu todos os bens à igreja, deu só uma grande parte. Nem que fosse uma pequena parte, ou nenhuma parte dos bens para a igreja. A grande questão é esta: matar o semelhante é pecado mortal ou não é? Matar é tirar a vida ou não é? Se for em legítima defesa o outro já não fica morto? Se for em defesa da Pátria (como alguém escreveu) também o morto deixa de estar morto para deixar de ser pecado ter-lhe sido tirada a vida? Quem mata o seu semelhante, só porque se arrependeu e, no fim da vida fez voto de pobreza, entrou para um convento carmelita, fez boas ações a partir daí, é suficiente para ser santo?

Maria J. disse...

São Nuno agiu em legitima defesa.

Anónimo disse...

Voltamos ao mesmo, cara Maria J.
Apesar de S. Nuno agir em legítima defesa, tirou a vida ao atacante. Tirou a vida. Tirar a vida ao semelhante só é pecado mortal nalgumas circunstâncias, eis a questão.

João Silveira disse...

Anónimo, e uma questão de ler o catecismo. Ta lá tudo bem explicadinho

Anónimo disse...

Sim, sim, mesmo muito bem explicadinho. Por aqueles que tornam santos e santinhos a quem lhes apetece.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...