quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

P.e José Nuno ao DN: "É preciso definir uma política da morte em Portugal"

No DN de 31 de janeiro de 2012. Resposta a um leitor que estranhava não se ter falado do Padre José Nuno neste blogue (aqui).

5 comentários:

Anónimo disse...

O Estado e sobretudo a Igreja devem-lhe muito. Tem um trabalho notável na capelania de S. João no Porto. Como pessoa é extraordinário.

Anónimo disse...

Mais do que "definir uma política da morte em Portugal", é necessário que se desmistifique a morte e se ensine a respeitá-la como se respeita a vida. Se aceitamos e respeitamos que uma planta, por exemplo, morre após o seu tempo de vida, porque não conseguimos fazê-lo com os seres humanos? Porque a sociedade ocidental (judaico cristã) tem medo de morrer. Porque "não sabe" o que acontece a seguir. Apenas sabe que o corpo morre após algum sofrimento, que pode ir de escassos segundos, a anos. Mas nem todos os seres humanos têm esse medo visceral da morte. Há sociedades onde os idosos, o fim da vida,a morte são vistos como fontes de saber, de conhecimento e de recomeço. Um idoso que é encontrado morto meses após a morte do seu corpo, já morreu para a sociedade muito antes! Uma sociedade que não respeita os seus idosos,uma sociedade que finge não os ver é uma sociedade "socialite", de silicone e de faz de conta.
MH

Anónimo disse...

O Pe Nuno deu uma boa entrevista acerca da matéria à ecclesia na segunda feira passada. Numa palavra: se a educação prestasse mais atenção morte...

Anónimo disse...

"Numa palavra: se a educação prestasse mais atenção morte..."
Plenamente de acordo. Essa atenção devia começar no jardim de infância.

Anónimo disse...

23:26, acabei de ver a entrevista no seu blogue. Vale a pena ouvir.

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...