quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Elevar o nível


W. G. Sebald

Um leitor queixa-se que o meu blogue está a descer de nível. É capaz de ter razão. Mas, como dizia o outro antes de fugir do pântano, “não é estrutural, é conjuntural”. Espero não ser desmentido pela realidade, como a crise que dura há mais de uma década desmente o antigo ministro.

É conjuntural, no meu caso, porque não se sai incólume de uma avaria do computador principal. Trabalho habitualmente em três, mas quando avaria aquele a que estamos mais afeiçoados, o trabalho ressente-se. Em janeiro só “postei” 103 vezes, muito abaixo da média. Mas as coisas estão a mudar, como dizia Bob Dylan.

Para aumentar o nível, nada como citar Mandelstam, que dizia que “o romance tem provavelmente as suas raízes nas respostas seculares às biografias dos santos”, o que quer dizer que mesmo os intelectuais (felizmente, intelectual não poder o “c”) não devem deixar de olhar para “aquele vasto brocado musical roído por traças” a que chamamos religião. Quer isto dizer que não faltam assuntos de grande nível para abordar aqui. Faltarão outras coisas, não matéria. O que está entre aspas é de W. G. Sebald, que, se ainda houver dúvidas, contribui decisivamente para subir de nível.

Para evitar o “genuíno fedor escolástico” - a expressão é de um antigo aluno de jesuítas, James Joyce – não vou dizer de onde tirei as citações de Mandelstam e Sebald. O meu caríssimo leitor que se queixa da descida de nível decerto saberá encontrá-las no agradável bosque de Jacob.

1 comentário:

José A. Vaz disse...

em nossa casa quem manda somos nós; descer ou subir o nível é connosco. só cá vem quem quer. acho eu. continue. shalom.

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...