quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

A igreja do copianço digital



É oficial. A Suécia reconheceu o Kopimism como religião. Kopimism vem de “copy me” (“kopi mi”). A nova fé foi fundada por Isak Gerson, de 19 anos, e consiste na liberdade de copiar ficheiros, programas, tudo o que for digital. Para fazer parte desta nova religião, "basta sentir um chamamento para adorar o mais sagrado de tudo o que é sagrado: a informação e a cópia".

Algumas frases-chave da nova fé:
A informação é sagrada e o ato de copiar é um sacramento.
Ser proprietário de software (manter o código-fonte escondido das outras pessoas) é comparável à escravatura e deve ser proibido.
Li no Público (já tem entrada na Wikipedia) e não sei se hei de rir da pretensão de Isak Gerson e dos 3000 kopimistas (e dos muitos milhões de kopimistas anónimos), se lamentar tal reconhecimento por parte do estado sueco. Parece brincadeira do 1 de abril.

2 comentários:

Diamantino Costa disse...

Muitos dizem-se "catolicos não praticantes". Agora muitos passarão a ser "praticantes não Kopimismtas

Maria de Fátima disse...

Eu se fosse a si nem tinha aqui "posto" isto.

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...