terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Jesus entre os que sofrem e a religião pop


Da entrevista de António Marujo a Jürgen Moltmann (que foi mobilizado para a guerra aos 16 anos e esteve três anos preso)

Deus morreu no Holocausto?
Não. Deus revelou-se-me na paixão de Jesus Cristo, quando me senti abandonado. Descobri Cristo como meu irmão, que partilhou o meu abandono, que morreu gritando «Meus Deus, porque me abandonaste?»

As vítimas são o Cristo crucificado?
Sim. Cristo estava entre as pessoas mortas, sinal de que Deus está do seu lado, de que Deus também sofre na história. Compreendi Deus como um Deus de compaixão.

Apareceu há pouco tempo um documentário sobre o alegado ossário de Jesus…
Nos Estados Unidos da América, pode fazer-se algo grande a propósito de Jesus, porque as pessoas gostam dele. Há a história similar em que Jesus apareceu na Índia ou casou com Marida Madalena, que os reis franceses descendem dele… Isso é apenas espectáculo, é religião pop

António Marujo, “Deus Vem a Público. Entrevistas sobre a transcendência. I volume” (ed. Pedra Angular), pág. 26-27

Sem comentários:

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...