terça-feira, 13 de setembro de 2011

Ai os saudosismos da cristandade

E quando nós, os fiéis dos dias de hoje, ouvimos, com alguma inveja, dizer que na Idade Média todos os que por cá andavam eram fiéis, convém lançarmos, com a ajuda da investigação histórica, um olhar também para aquilo que existia nos bastidores daquele tempo. Assim descobriremos que mesmo então havia uma grande massa de oportunistas e um número relativamente pequeno de pessoas realmente engajadas na dinâmica interna da fé. As ciências históricas podem mostrar-nos que, para muitos, a fé não passada de um sistema habitual de formas de vida, de modo que o número daqueles que se davam conta da fascinante aventura que a palavra «creio» na verdade encerra não devia ser maior do que o daqueles que a desconheciam.


Joseph Ratzinger, "Introdução ao Cristianismo" (ed. Principia), pág. 35

Sem comentários:

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...