terça-feira, 3 de julho de 2012

Rui Tavares: "Viver com o pecado"

"Amálgama político-teológica" de Rui Tavares no "Público". Dívida e pecados, jesuítas e jansenistas. E santo Agostinho, sempre ele a pairar sobre tudo.

1 comentário:

Anónimo disse...

Claro que Rui Tavares não diz que Kolakowski era marxista e que a sua interpretação da "De auxiliis" está eivada de preconceitos que lhe impedem perceber o que esteve, de facto em causa. Mais: nem sabe que em grego (e basta ver o "Pai-Nosso") "dívida" e "ofensa" são ditas pela mesma palavra (nós estamos sempre em dívida para com Deus pois a sua graça precede-nos em tudo). Nem diz, RT, que a afirmação, qu parece querer fazer ser de Kolakowski, "Deus não nos deve nada" é de Pascal. Mais estranho (mas a ignorância crassa de RT pode explicar isso) é opor, como fez Kolakowski, os jansenistas próximos de Agostinho aos jesuítas próximos de Tomás, como se a "De auxiliis" já não tivesse oposto duas interpretações quer de Agostinho, quer de Tomás. Enfim: que se há-de esperar de alguém que, ignorando que o Templo de Jerusalém já tinha pináculos, disse que as torres das Igrejas ocidentais eram de inspiração islâmica?

Fernando d'Costa

Semana dos Seminários

Parece que se dizem agnósticos (ou o mais conhecido deles). Mas a simbologia católica (sim, mais católica do que simplesmente protestante ou...