terça-feira, 3 de julho de 2012

Rui Tavares: "Viver com o pecado"

"Amálgama político-teológica" de Rui Tavares no "Público". Dívida e pecados, jesuítas e jansenistas. E santo Agostinho, sempre ele a pairar sobre tudo.

1 comentário:

Anónimo disse...

Claro que Rui Tavares não diz que Kolakowski era marxista e que a sua interpretação da "De auxiliis" está eivada de preconceitos que lhe impedem perceber o que esteve, de facto em causa. Mais: nem sabe que em grego (e basta ver o "Pai-Nosso") "dívida" e "ofensa" são ditas pela mesma palavra (nós estamos sempre em dívida para com Deus pois a sua graça precede-nos em tudo). Nem diz, RT, que a afirmação, qu parece querer fazer ser de Kolakowski, "Deus não nos deve nada" é de Pascal. Mais estranho (mas a ignorância crassa de RT pode explicar isso) é opor, como fez Kolakowski, os jansenistas próximos de Agostinho aos jesuítas próximos de Tomás, como se a "De auxiliis" já não tivesse oposto duas interpretações quer de Agostinho, quer de Tomás. Enfim: que se há-de esperar de alguém que, ignorando que o Templo de Jerusalém já tinha pináculos, disse que as torres das Igrejas ocidentais eram de inspiração islâmica?

Fernando d'Costa

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...