sábado, 9 de junho de 2012

Anselmo Borges: Sobre o diálogo inter-religioso

Texto de Anselmo Borges no DN de hoje (aqui):



Aquestão do diálogo inter-religioso volta constantemente, também por causa da paz. Actualmente, a religião mais perseguida é o cristianismo.

Para esse diálogo, há pressupostos essenciais.

1. Religioso e Sagrado não se identificam. Trata-se de realidades distintas: religioso diz respeito ao pólo subjectivo, isto é, ao movimento de transcendimento e entrega confiada por parte das pessoas religiosas ao pólo objectivo, que é o Sagrado ou Mistério, a que todas as religiões estão referidas, configurando-o a seu modo.

2. Questão decisiva é a da revelação. A pergunta é: como sabem os crentes que Deus falou? Mediante certas características - por exemplo, a contingência radical, a morte e o protesto contra ela, a esperança para lá da morte, a exigência de sentido último -, a própria realidade, sempre ambígua, mostra-se ao crente co-implicando a Presença do Divino como seu fundamento e sentido últimos. Como escreve A. Torres Queiruga, "não se interpreta o mundo de uma determinada maneira porque se é crente ou ateu, mas é-se crente ou ateu porque a fé ou a não crença aparecem ao crente e ao ateu, respectivamente, como a melhor maneira de interpretar o mundo comum".

3. A leitura dos livros sagrados não pode ser de modo nenhum literal, mas histórico-crítica. Por outro lado, se toda a religião tem como ponto de partida e de "definição" esta pergunta essencial: o quê ou quem traz libertação e salvação?, a libertação-salvação total é que constitui o fio hermenêutico decisivo para a interpretação correcta dos livros sagrados na sua verdade final. Só a esta luz é que eles são verdadeiros.

4. Condição essencial para a paz é a separação da(s) Igreja(s) e do Estado. Só mediante a neutralidade religiosa do Estado, é possível a garantia da liberdade religiosa de todos os cidadãos sem discriminação. Mas a laicidade não significa de modo nenhum que o Estado e a(s) Igreja(s) não possam e devam colaborar.

O diálogo inter-religioso assenta em quatro pilares fundamentais.

1. Todas as religiões, desde que não só não se oponham ao Humanum, mas, pelo contrário, o afirmem e promovam, são reveladas e verdadeiras. Desde sempre Deus procura manifestar-se e comunicar-se a todos. Assim, em todas as religiões há presença de revelação e, portanto, de verdade e santidade. Precisamente porque todas são reveladas, mas no quadro de interpretações humanas, todas são também simultaneamente verdadeiras e falsas, precisando de autocrítica.

2. As religiões são manifestações e encarnações da relação de Deus com o homem e do homem com Deus. Elas estão referidas, isto é, em relação com o Absoluto, mas elas próprias não são o Absoluto. O Absoluto não pode ser possuído ou dominado pelo homem. Quando o homem fala de Deus, está sempre a falar do Deus dito por ele e não, embora referido a ele, do Deus em si mesmo.

3. Se as religiões não são o Absoluto, embora referidas a ele, as pessoas religiosas devem dialogar para melhor se aproximarem do Mistério divino absoluto já presente em cada religião, mas sempre transcendente a cada uma e a todas.

4. Paradoxalmente, o quarto pilar afirma que do diálogo inter-religioso fazem parte também os agnósticos e os ateus, pois o que, antes de mais, nos vincula a todos é a humanidade, concluindo-se, assim, que os agnósticos e os ateus são aqueles que, por estarem "de fora", talvez melhor possam aperceber-se da inumanidade, superstição e idolatria, que tantas vezes afectam as religiões históricas.

Antes de sermos crentes ou não crentes, estamos vinculados pela humanidade comum e é pela sua realização plena em todos os homens e mulheres que devemos estar unidos. Critério essencial da verdade de uma religião é, pois, o seu compromisso com os direitos humanos e a realização plena do ser humano. O respeito pelo outro, crente ou ateu, e a salvaguarda da criação, não são algo acrescentado à religião, mas suas exigências intrínsecas.

8 comentários:

Anónimo disse...

"...
Todas as religiões, desde que não só não se oponham ao Humanum, mas, pelo contrário, o afirmem e promovam, são reveladas e verdadeiras. ..."

Resta dizer, e isto é muito importante - se não mesmo o mais importante - creio eu, que quanto melhor efectivamente o "afirmem e promovam" (o humanum) mais parcelas da VERDADE contêm em si.

E que o AMOR (a essência do cristianismo) é a humanização- absoluta possível.

Jorge Pires Ferreira disse...

Obrigado pelo seu acrescento clarificador. Concordo com o autor e consigo.

João Silveira disse...

Então porque é que Jesus nos mandou evangelizar?

Anónimo disse...

O inciso "desde que não só não se oponham ao Humanum, mas, pelo contrário, o afirmem e promovam" é decisivo. Assim de repente lembro-me imediatamente de religiões que, com tal inciso, deixam de ser "reveladas e verdadeiras". Mas isso é tema para outros posts.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

Evangelizar é,em suma,anunciar, viver e testemunhar, o AMOR (aquele, de Deus, em Cristo revelado.).

João Silveira disse...

Não, evangelizar é como próprio nome indica: anunciar a boa-nova. E que boa-nova é esta? Que o próprio Deus se fez carne, viveu como nós, morreu por amor e ressuscitou ao terceiro dia. Dizer que isto tudo é indiferente é uma traição à cruz, e ao Deus que morreu por nós.

Anónimo disse...

Tenho que concordar com o João: a Boa-Nova, objecto irredutível da evangelização, é Jesus. É este que nos diz o que é o amor (e o Amor) e não ao contrário. Mas posso estar enganado.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

Descobri este Pe Anselmo neste blogue. Muito bom. Grazie Mille.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...