sábado, 9 de junho de 2012

Anselmo Borges: Sobre o diálogo inter-religioso

Texto de Anselmo Borges no DN de hoje (aqui):



Aquestão do diálogo inter-religioso volta constantemente, também por causa da paz. Actualmente, a religião mais perseguida é o cristianismo.

Para esse diálogo, há pressupostos essenciais.

1. Religioso e Sagrado não se identificam. Trata-se de realidades distintas: religioso diz respeito ao pólo subjectivo, isto é, ao movimento de transcendimento e entrega confiada por parte das pessoas religiosas ao pólo objectivo, que é o Sagrado ou Mistério, a que todas as religiões estão referidas, configurando-o a seu modo.

2. Questão decisiva é a da revelação. A pergunta é: como sabem os crentes que Deus falou? Mediante certas características - por exemplo, a contingência radical, a morte e o protesto contra ela, a esperança para lá da morte, a exigência de sentido último -, a própria realidade, sempre ambígua, mostra-se ao crente co-implicando a Presença do Divino como seu fundamento e sentido últimos. Como escreve A. Torres Queiruga, "não se interpreta o mundo de uma determinada maneira porque se é crente ou ateu, mas é-se crente ou ateu porque a fé ou a não crença aparecem ao crente e ao ateu, respectivamente, como a melhor maneira de interpretar o mundo comum".

3. A leitura dos livros sagrados não pode ser de modo nenhum literal, mas histórico-crítica. Por outro lado, se toda a religião tem como ponto de partida e de "definição" esta pergunta essencial: o quê ou quem traz libertação e salvação?, a libertação-salvação total é que constitui o fio hermenêutico decisivo para a interpretação correcta dos livros sagrados na sua verdade final. Só a esta luz é que eles são verdadeiros.

4. Condição essencial para a paz é a separação da(s) Igreja(s) e do Estado. Só mediante a neutralidade religiosa do Estado, é possível a garantia da liberdade religiosa de todos os cidadãos sem discriminação. Mas a laicidade não significa de modo nenhum que o Estado e a(s) Igreja(s) não possam e devam colaborar.

O diálogo inter-religioso assenta em quatro pilares fundamentais.

1. Todas as religiões, desde que não só não se oponham ao Humanum, mas, pelo contrário, o afirmem e promovam, são reveladas e verdadeiras. Desde sempre Deus procura manifestar-se e comunicar-se a todos. Assim, em todas as religiões há presença de revelação e, portanto, de verdade e santidade. Precisamente porque todas são reveladas, mas no quadro de interpretações humanas, todas são também simultaneamente verdadeiras e falsas, precisando de autocrítica.

2. As religiões são manifestações e encarnações da relação de Deus com o homem e do homem com Deus. Elas estão referidas, isto é, em relação com o Absoluto, mas elas próprias não são o Absoluto. O Absoluto não pode ser possuído ou dominado pelo homem. Quando o homem fala de Deus, está sempre a falar do Deus dito por ele e não, embora referido a ele, do Deus em si mesmo.

3. Se as religiões não são o Absoluto, embora referidas a ele, as pessoas religiosas devem dialogar para melhor se aproximarem do Mistério divino absoluto já presente em cada religião, mas sempre transcendente a cada uma e a todas.

4. Paradoxalmente, o quarto pilar afirma que do diálogo inter-religioso fazem parte também os agnósticos e os ateus, pois o que, antes de mais, nos vincula a todos é a humanidade, concluindo-se, assim, que os agnósticos e os ateus são aqueles que, por estarem "de fora", talvez melhor possam aperceber-se da inumanidade, superstição e idolatria, que tantas vezes afectam as religiões históricas.

Antes de sermos crentes ou não crentes, estamos vinculados pela humanidade comum e é pela sua realização plena em todos os homens e mulheres que devemos estar unidos. Critério essencial da verdade de uma religião é, pois, o seu compromisso com os direitos humanos e a realização plena do ser humano. O respeito pelo outro, crente ou ateu, e a salvaguarda da criação, não são algo acrescentado à religião, mas suas exigências intrínsecas.

8 comentários:

Anónimo disse...

"...
Todas as religiões, desde que não só não se oponham ao Humanum, mas, pelo contrário, o afirmem e promovam, são reveladas e verdadeiras. ..."

Resta dizer, e isto é muito importante - se não mesmo o mais importante - creio eu, que quanto melhor efectivamente o "afirmem e promovam" (o humanum) mais parcelas da VERDADE contêm em si.

E que o AMOR (a essência do cristianismo) é a humanização- absoluta possível.

Jorge Pires Ferreira disse...

Obrigado pelo seu acrescento clarificador. Concordo com o autor e consigo.

João Silveira disse...

Então porque é que Jesus nos mandou evangelizar?

Anónimo disse...

O inciso "desde que não só não se oponham ao Humanum, mas, pelo contrário, o afirmem e promovam" é decisivo. Assim de repente lembro-me imediatamente de religiões que, com tal inciso, deixam de ser "reveladas e verdadeiras". Mas isso é tema para outros posts.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

Evangelizar é,em suma,anunciar, viver e testemunhar, o AMOR (aquele, de Deus, em Cristo revelado.).

João Silveira disse...

Não, evangelizar é como próprio nome indica: anunciar a boa-nova. E que boa-nova é esta? Que o próprio Deus se fez carne, viveu como nós, morreu por amor e ressuscitou ao terceiro dia. Dizer que isto tudo é indiferente é uma traição à cruz, e ao Deus que morreu por nós.

Anónimo disse...

Tenho que concordar com o João: a Boa-Nova, objecto irredutível da evangelização, é Jesus. É este que nos diz o que é o amor (e o Amor) e não ao contrário. Mas posso estar enganado.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

Descobri este Pe Anselmo neste blogue. Muito bom. Grazie Mille.

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...