sexta-feira, 6 de abril de 2012

Perder a vida

O grande prodígio da Páscoa é esta transformação: a cruz, instrumento de vergonha, de sofrimento e de morte, torna-se em Jesus um meio até onde pode chegar o dom de si próprio, para dizer que o amor é mais forte do que a morte e, por conseguinte, proclamar o triunfo da vida. Porque a vida é fundamentalmente amor, e onde houver amor não pode reinar a morte.


(...) É decisivo recordar que «perder [a vida]» significa substancialmente «saber dar» e não certamente «para deitar fora a vida» ou «malbaratá-la».


Domenico Pezzini, "As feridas que curam. Reflexões sobre a Paixão e a Páscoa" (Paulinas), pág. 13

Sem comentários:

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...