terça-feira, 6 de março de 2012

Feliz acaso dos ateus inquietos

O hiato entre a fé e a experiência humana constitui um dos mais difíceis problemas da pregação e da teologia atuais. Em virtude desta distância, não só Deus, mas até mesmo a questão de Deus surge sem interesse. O ateu inquieto, cujo coração não descansa enquanto não repousar em Deus (Agostinho), tornou-se quase um feliz acaso pastoral (K. Rahner).


Water Kasper, "Introdução à Fé", ed. Telos, 1973

Sem comentários:

Semana dos Seminários

Parece que se dizem agnósticos (ou o mais conhecido deles). Mas a simbologia católica (sim, mais católica do que simplesmente protestante ou...