terça-feira, 6 de março de 2012

Agustina, leitora da Bíblia



Agustina Bessa-Luís (teve um AVC há tempos, deixou de escrever e não quer ver livros à frente, mas “está lúcida”, dizem o marido e a filha) tem uma série romances, peças de teatro e outros textos para publicar. Dois dos romances chamam-se “Ídolo de Barro” e “Deuses de Barro”. O segundo foi escrito entre agosto e outubro de 1942. O primeiro é anterior. Refira-se que o seu grande romance, “A Sibila”, é de 1954.

Os dois romances não foram publicados porque “não tinha editor”. Diz Alberto Luís, marido: “Este romance [“Deuses de Barro”] foi lido por um escritor aqui do Porto, o Sousa Costa. Era um homem tão católico que lhe disse que não podia apadrinhar o livro – apesar de ela ter muito talento – porque era um livro iconoclasta”.

Observa então o entrevistador, Carlos Vaz Marques: “Há uma clara alusão bíblica nesses títulos”. Alberto Luís responde: “Sim. Há aqui muitas coisas bíblicas. E um grande entusiasmo pela leitura da Bíblia. Considerou-a sempre a primeira leitura e a mais importante que fez. A Bíblia era para ela uma leitura permanente. Ela na época tinha já muitas leituras. Foi educada nas Doroteias. Teve, portanto, uma educação religiosa”.

Li na "Ler" n.º 111.

Sem comentários: