quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

"Jesus Cristo é sempre alguém anunciado por outro que viveu uma relação"


Da entrevista de António Marujo a Jean-Noël Alleti (autor de “Voltar a Falar de Jesus Cristo”, ed. Cotovia)

A Igreja deve ter como prioridade a redescoberta do prazer do texto?
Sim. Actualmente, na Igreja – não entre os tradicionalistas, que não gostam do prazer de ler, gostam de ideias claras, de dogmas -, há um movimento de redescoberta do texto, que nos diz algo sobre a humanidade de Deus.

Qual é a fronteira entre um exercício como o do seu livro e uma leitura como a dos fundamentalistas, que pegam numa frase e a lêem descontextualizada?
Creio que um tradicionalista não consegue ler o meu livro. A fronteira é justamente o que refere: não estar preocupado com os dogmas. É verdade que acreditamos em Jesus Cristo, mas chegamos a ele tomando o texto como uma verdadeira narrativa, com densidade humana. Jesus Cristo é sempre alguém anunciado por outro que viveu uma relação. Infelizmente, não estou seguro de que os reaccionários sejam sensíveis ao que vivem os outros. Eles querem dogmas, têm medo dos outros.
No limite, deve perguntar-se se se está disposto a escutar um outro falando de Jesus Cristo. Não escutar ideias, verdades feitas, mas alguém que conta como Jesus entrou na sua vida – que é o que fazem os evangelistas. E assim poderá entrar-se numa relação de escuta e não de certezas.

António Marujo, “Deus Vem a Público. Entrevistas sobre a transcendência. I volume” (ed. Pedra Angular), pág. 37-38

Sem comentários:

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...